foto2-1.jpgfoto2-2.jpgfoto2-3.jpg

TT


Eugene Gaon, de si, pode dizer:

 

 

Se por dias inúmeros já vivi, bem distante de mim, já vai a idade que à vaidade se entregara; se outro tanto, desejasse viver, ainda que tivesse disposição para fazê-lo, zelo com o tempo para alcançar esse intento, faltar-me-ia, assim, apesar dessa realidade, a pesar a real idade que tenho, não estou, logo, ela não haverá de me incomodar, pois desistir de existir, não desejo, uma vez que por inúmeras outras vezes, ainda hei de estender minhas mãos ao bem, contudo, receio que vez ou outra, com elas, alcançarei o mau...

Após iniciar meus primeiros passos, tão logo firmes ficaram minhas mãos, iniciei-me nas primeiras letras; de lá para cá, tenho lido, lido sempre; portanto, por tanto me envolver com as palavras, alguns segredos seus descobri.

— Segredos meus?

Não! Não os seus!

— Se meus também não são, hão de ser de quem?

Delas — das palavras — naturalmente! A ser assim, saiba: as palavras não nos traem, e trair não se deixam, logo, logo, ou em todo momento, tenha cuidado ao ler quaisquer textos meus, pois, se sobre eles, fizer algum comentário, algum segredo seu revelado será...

Já disse, ao passar pelo tempo, tempo para ler encontrei, com efeito, se conheci palavras a mais, não menos as valorizei... Com isso, fui ganhando força, ao perder ânimo para desprezar as letras; nessa faina continuei até cismar planos de escrever para alguém que poderia cismar de ler o que escrevo; em consequência, alguns segredos meus, minhas letras hão de revelar...

 

Eugene K. Gaon de Assis graduou-se em Medicina e Filosofia, logo, logo mais, ou a qualquer momento, ao caminhar por essas ásperas sendas, fendas aqui e ali, poderá encontrar, mas, ao menos, com mais segurança, poderá delas se desviar... 

Caso queiras falar comigo...

 

Queres falar comigo para logo? Logo abaixo, estão à tua disposição, o meu telefone e o meu WhatsApp, e ainda o meu E-mail. 

 

+55 34 9 9339 9339

 E-mail:  krantzgaonO endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.

 

 

aqui!

 

Por vez, a desobediência, em situação singular, é natural, mas, neste momento a estas circunstâncias, racional não foste tu, pois não acataste a minha advertência; talvez, o fizeste, pela prudência que te faltou, ao tocares sobre aquela incisiva asserção: Não toques aqui!

Tens inclinação mórbida à desobediência, ou se inclinas à doentia imprudência?

Desta vez, a recear não menos, mais uma vez, advirto-te:

Não toques no ponto que está entre os parêntesis, que são vistos logo abaixo!

 

 

(...)

 

 

"T"

 

Agora sim, não tenho a menor dúvida!

Desta vez, e de vez, tornaste-te incauto.

Nesta página, há tantos títulos seguros sob teus olhos, e nenhum deles, em ti suscitou algum interesse?

Creio que não, pois, por menos cautela que estavas a ter se ater lá, quiseste mais. 

Navegavas a esmo?

Sabe! Ao ancorares em um porto desconhecido, entre os males que por lá há, podes encontrar uma ou outra causa de tenesmo...